When depression makes us blind, love, keeps us kind

Postado por Joao Almeida em 23/07/2017 15:15:03

Pediram-me que escrevesse um texto, de ternurentas palavras,

daquelas que uma pessoa guarda e leva consigo, daquelas que uma pessoa usa,

nesses momentos de acrescido desespero... 

A simplicidade, num mundo liquefeito, ou que tende, a relações de água,

onde a transparência e senso comum, onde a regra e a restrição supérfula,

escondem vazios, vazios de alma,

vazios de amor,

vazios de céu, 

terra,

mares,

horizontes nunca navegados,

e temidos,

alvejados por almas desesperadas,

corações desamparados,

sendo de mesas vazias, 

e lugares albaroados,

despejados de dentro para fora e de fora para dentro,

o espectro que se atinge e inflige dor,

um salvo comum respirar, salvo, que se salve,

o comum respirar sofregamente preso, feito refém um dia de palavras desidentificadas de sentido,

talvez a beleza dessa imperfeição seja aquilo que mova a um fim,

fim esse,

que se foge, 

fim esse que se silencia,

e trespaça a um outro lugar,

esse lugar que se ambiciona,

e que alguns alcançam,

mas no fim,

no fim,

no exacto momento onde se finda,

esse fim,

não um outro, uma outra história, 

a história, sim, de quem alcança um fim,

que se vive de perto, decerto,

num aperto de peito,

rarefeito,

nas margens de um rio,

da força que o leva,

e as margens que o oprimem,

sejam outras pessoas,

seja o próprio,

frequentemente o próprio,

que chora, que se fere,

de ferido a predador de si mesmo,

a tristeza que consome,

o vazio que se cria,

que se sente,

do sem sentido,

do perdido,

da dor, que confundida com o amor, e o amor com a dor, e a raiva com o desespero, e o desespero com o vazio e do tudo,

esse...

 

chão,

de nada,

para nada...

 

Mas existe sempr uma luz,

e não é justo, 

que se corte o sonho,

que se cesse a vida,

que se cesse a paixão de ser vivida,

num sopro de mil estrelas no céu,

por mais dura que ela seja,

haverá uma,

só uma,

pequenina que seja,

que fica esquecida,

e eu importo-me com isso,

importo-me com isso de uma forma, inexplicável,

vou atrás delas,

de uma,

uma só razão de vida,

uma só razão de percorrer um céu em noite,

com a capacidade de sonhar, e de imaginar,

de voltar a acreditar que é possível,

e de que me importo,

que quero, que desejo, que amo,

que estou, e que fico,

olhando a beleza,

de um dia,

só um dia,

poder dizer,

não me magoarei mais.

 

MARCADORES:

Vazio tristeza depressão