Subúrbio de Paris ganhará um “eco-bairro” em 2017

Postado por Ecoando em 16/12/2011 11:16:30

A Renault estabeleceu, em 1929, sua fábrica de carros na Ile Seguin, uma pequena ilha no rio Sena ao Sudoeste de Paris. Mas, no final do século, ela foi fechada. O espaço vazio foi aberto para propostas de construção em um concurso internacional, cujo resultado foi divulgado em julho de 2009 e teve como vencedor o projeto que irá transformar a Ile Seguin em um bairro ecológico e cultural, onde as artes, os negócios e a vida residencial se misturam com sustentabilidade.
O projeto urbanístico para a Ile Seguin, situada em Boulogne-Billancourt, no Subúrbio Oeste de Paris, está sendo realizado pela empresa Val de Seine Aménagement, que teve a ideia de desenvolver um próspero centro urbano no espaço industrial, dotado de 500.000 m² de habitação, um terço deles para moradores de baixa renda, 250.000 m² de escritórios e 250 mil m² para lojas e espaço público.
O desenvolvimento sustentável e a criação de um ambiente de qualidade são pontos centrais do projeto, segundo a Val de Seine Aménagement. A empresa destacou que o "eco-bairro" também irá focar no transporte público, carros individuais e em grandes espaços urbanos, cheios de vida vegetal e passarelas de pedestres.
Segundo a Val de Seine Aménagement, as obras do bairro estão previstas para começar em 2012, com conclusão prevista até 2017. De acordo com os arquitetos, o projeto propõe estabelecer um novo modo de pensar a cidade, baseado nos tipos de corpos, formas, sequências de espaços e no uso de diferentes tipologias de edifícios.
Assim, a proposta não buscou apenas pensar a densidade, mas sim um desenho estratégico que crie um novo modelo para futuros projetos de arquitetura deste gênero, em que o verde é o centro da iniciativa.
Para por em prática a proposta, o arquiteto francês Jean Nouvel foi contratado para coordenar os esforços de uma equipe de arquitetos. Nouvel foi responsável pela projeção de uma torre verde para Los Angeles e do incomum Museu Quai Branly, em Paris.

Como será o novo “eco-bairro”
Com superfície de 300 mil metros quadrados, a ilha fluvial será o lar de 12.000 residentes e 11.000 funcionários. Além de edifícios residenciais, ela inclui espaços culturais e comerciais, praças e mirantes.
Ao cortar a ilha no sentido longitudinal, uma rua central de 400 metros de comprimento será inteiramente ocupada em seu térreo por lojas, restaurantes, hotéis e cinemas.
Os edifícios voltados para o rio serão, em sua maioria, residenciais, enquanto os das ruas internas também poderão ser de escritórios.
Ao longo da ilha, existirá um parque com uma estufa de 450 metros de comprimento unida a terraços verdes de diferentes alturas que cruzarão os edifícios. A equipe de planejamento tem o objetivo de utilizar 100% de energias renováveis.
Haverá também um espaço dedicado a exposições de arte digital da Fundação de Arte Contemporânea, o museu Maison de l’Histoire de France e um complexo de salas de espetáculos musicais e performance. Cada extremidade da ilha irá conter um centro de arte moderna.

 

via

 

MARCADORES:

paris eco bairro projeto arquitetônico